Rotarismo: Fundamentos Ilustrados de uma Magnífica Instituição Centenária

24 Rotarismo aa7b9

 

Helio Begliomini

História, Documentário e Biografias

Expressão & Arte Gráfica, São Paulo – 2011,

195 páginas. 

Classificado entre os “Livros do Ano de 2011” pela Câmara do Livro da Academia Brasileira de Estudos e Pesquisas Literárias (Rio de Janeiro) – medalha de ouro.

 

Prefácio I: Paulo de Tarso Muniz

O mister de prefaciar um livro não significa uma mera apresentação, mas uma verdadeira recomendação ao leitor.

Admitindo absoluta essa asserção é que assumo a honrosa incumbência outorgada pelo amigo e companheiro Helio Begliomini, reconhecido médico, mestre em  urologia pela Universidade Federal de São Paulo, possuidor de um significativo  “curriculum vitae”, com  oportuna presença na  presidência  da Sociedade Brasileira de Médicos Escritores; por último, foi eleito Presidente do Rotary Club de São Paulo- Tremembé, para o ano Rotário 2011/2012, não obstante, manifesto a minha satisfação no sentido de exarar o presente antelóquio.

Consoante  denominação da obra estampada e da oportunidade que tive de nela debruçar em sua leitura, notei tratar-se de um completo compêndio de fatos históricos e de iniciativa louvável, que retrata desde as reuniões antecedentes objetivando a fundação de Rotary, através de seu idealizador: Paul Harris, até transpassar o seu primeiro centenário, numa continuidade temporal, contendo, no entanto,  um fecundo trabalho de pesquisa cujo intento é dar um cunho utilitário ao  leitor, quer seja ele sócio de um clube rotário, do Interact, do Rotaract, participante de projetos humanitários ou interessado pela organização.

Tenho certeza de que este substanciado compêndio logrará sua finalidade e o autor sentir-se-á fartamente recompensado do labor que empregou na sua formação, tendo em mira um dos lemas rotários de servir a todos os interessados a quem é especialmente destinado; daí porque subscrevo com todas as luzes a sua obra que, por certo, renderá margem ao merecido bom sucesso e, por via de consequência, a sucessivas reedições.

Paulo de Tarso Muniz[*]
[*] Governador do Distrito 4.430, ano rotário do centenário (2004/2005).

 

Prefácio II: Paschoal Flavio Leardini

Pode-se dizer e também se constatar por meio de inúmeros exemplos catalogados que a grande maioria de preciosidades no ramo dos negócios, marcas de reconhecimento mundial, organizações não governamentais, entidades sociais e assim como grandes obras literárias, nascem de forma simples, sem maiores pretensões, mas com o reconhecimento do valor intrínseco agregado; dedicação de quem procurou, pesquisou, comprometeu-se com a ideia, como pequenos filetes d’água se engrandecem e aí ninguém pode precisar a grandiosidade que se tornará.

Da forma que me conta o autor, esta obra nasceu de um trabalho que poderia ser cumprido dentro de uma expectativa simples na pretensão de um presidente eleito quando estava formando o seu plano de atividades do seu ano rotário, mas nas páginas deste livro, o leitor poderá constatar como que um simples trabalho delegado para o bom andamento da capacitação rotária aos associados do clube, pode se transformar numa marca para a história do rotarismo mundial.

Ocorre que quando o presidente Sérgio Luiz Miqueleti solicitou ao companheiro Helio Begliomini que preparasse “pílulas rotárias”, como costumamos chamar aquelas informações rotárias rápidas que, semanalmente se apresentam nas tribunas dos clubes, este inovou, se permitindo um desafio pessoal de buscar informações da história da nossa organização que normalmente não estão ao alcance do associado, e isso chamou a atenção de todos, causando interesse que não acontece na grande maioria dos casos, quando o tema é apresentado formalmente como se fosse para cumprir uma tarefa.

O leitor poderá observar como era o mundo na época da fundação do Rotary e, principalmente, o local escolhido para o seu nascimento. Uma Chicago corrupta, onde cada qual só pensava em seus próprios lucros e não se importando com o prejuízo causado aos demais. E Paul Harris disse sobre tudo isso na ocasião: “portanto, não pode existir lugar e nem época melhor”.

O fundador percebendo o que acontecia e com a visão de quem já havia viajado pelo mundo, também tinha sentido na carne a dificuldade de pessoas que, como ele, se sentiam sós, principalmente nos finais de semana, quando todos juntavam-se às suas respectivas famílias e ele perambulava pelas ruas. Outro fato atraiu a atenção de Paul, quando foi jantar com um amigo, cinco anos antes da fundação do Rotary, e, este, depois do jantar, convidou-o a andar pela vizinhança, apresentando-lhe inúmeros comerciantes, sempre os chamando pelo nome e, então, Paul pensou na ocasião: “porque não juntar estes homens de bem”.

Nestas páginas vamos encontrar a história de grandes homens por trás do movimento rotário, que na maioria das vezes não os conhecemos pelo nome, mas que foram fundamentais na construção do Rotary.

Além do nosso fundador, Paul P. Harris, quero lembrar de Ches Perry, que certa vez Paul disse: “se eu sou considerado o arquiteto do Rotary, Ches pode ser considerado então o construtor”. Ele foi secretário-geral no período de 1912 até 1942, além de ter planejado com Paul Harris e outros companheiros, a primeira convenção internacional.

Só quero ressaltar que, no início, não foi fácil a conversão de Ches, e ela se deu de modo interessante. Quando ele chegou, 3 (três) anos depois da fundação do Rotary de Chicago, o presidente do ano, vendo em Ches um sujeito tímido e sendo contrário ao que chamavam de “mundialistas”, ou seja, contrários à expansão do Rotary, colocou-o na comissão de expansão, pensando assim deixar de mãos amarradas os que eram a favor do movimento. Porém, Paul Harris vendo que a situação era desesperadora, investiu com todos os argumentos possíveis e conseguiu a confiança de Ches, que dali para frente tornou-se um parceiro inseparável, e Paul Harris nunca mais precisou remar sozinho.

Enfim, considero este livro como sendo de cabeceira, para ser deliciado em todas as suas páginas, pois destaca a história e os homens que fizeram desta organização centenária, como sendo de grande respeito e será cada vez mais “Melhor, Maior e Mais Audaz”, buscando sempre “Fortalecer Comunidades – Unir Continentes”.

 

Paschoal Flavio Leardini[*]
[*] Governador do Distrito 4.430, ano rotário 2010/2011.

 

Prefácio III: João Freire d´Avila Neto

Prezado leitor, muitas vezes indagamos:

O que é o Rotary?
Qual a sua história?
Qual é o seu objetivo?
Quais são os seus programas?

E, tomado pelo desafio de desenvolver para o Rotary Club de São Paulo – Tremembé as respostas a essas indagações, o companheiro Helio Begliomini efetuou uma ampla pesquisa sobre o Rotary, esta centenária instituição, para muitos, desconhecida.

Helio Begliomini, profundo conhecedor na arte das palavras, escritor premiado, médico de profissão, iniciou sua vida rotária em 1986, sempre se destacando em nossa instituição e seu desempenho, foi reconhecido através de sua eleição para o cargo de Presidente de seu clube, Rotary Club de São Paulo – Tremembé, para a gestão 2011/2012.

Sua história, seus mais renomados líderes, seus símbolos, seus programas são ricamente pesquisados e apresentados nesta obra “Rotarismo: Fundamentos Ilustrados de uma Magnífica Instituição Centenária”, agora colocada à disposição de toda a família rotária.

Honrado pelo autor com o privilégio de prefaciar o presente livro ofereço ao leitor uma reflexão adicional sobre a obra, marcada pela dedicação ao aprendizado da cultura rotária em que se pode afirmar o quanto o lema rotário (dar de si antes de pensar em si) é latente nesse trabalho. Dia após dia, o autor pesquisou... artigo por artigo... compôs a obra enriquecida da cultura rotária e, agora, pode doá-la aos privilegiados que se interessarem em compartilhar seus conhecimentos.

O autor, sabedor da importância do Rotary e de sua internacionalidade, pois foi bolsista da Fundação Rotária, salientou, no decorrer da obra, que quanto mais pesquisava, mais aprendia sobre a cultura rotária, personificando nosso lindo lema rotário: “mais se beneficia quem melhor serve”.

A leitura me fascinou e certamente fascinará do mais novo ao mais experiente rotariano com seus dados históricos, ilustrações diversas e contextualização da época em que os fatos ocorreram.

O livro reúne prestigiadas apresentações do companheiro Helio Begliomini dos mais variados temas rotários, dos quais, citamos alguns a título ilustrativo:  “Paul Harris – Vida de um Grande Homem”; “O que é o Rotary?”; “A Mulher e o Rotary” bem como, as curiosidades sobre “Rotary na Linha do Tempo”.

Citando nosso ilustre brasileiro, presidente de Rotary International 1975/1976, Ernesto Imbassahy de Mello: “O ser humano é o centro e medida de todas as coisas. Não são as instituições que fazem o valor dos homens e sim os homens que fazem o valor das instituições”. Parabéns, Helio por esta inestimável contribuição que você dá à família rotária e àqueles que terão oportunidade de conhecer o Rotary.

Por todos esses aspectos, aqui ligeiramente lembrados, a obra que tenho a honra de prefaciar, certamente irá satisfazer também um público interessado em solucionar suas dúvidas sobre os mais variados aspectos da vida rotária e, com certeza, será recebida com muita expectativa e recompensado sucesso.

 

João Freire d´Avila Neto[*] 
[*] Engenheiro civil, graduado pela Escola de Engenharia Mauá, em 1980. Ingressou no Rotary Clube de São Paulo – Alto da Mooca, em fevereiro de 1991, sendo presidente desse clube no ano rotário 2001/2002 e governador  do Distrito 4.430, no ano rotário 2008/2009. É diretor técnico da Amaral d’Avila Engenharia de Avaliações Ltda e sócio-diretor da empresa GeoImóvel – Tecnologia e Informação Imobiliária Ltda.

 

Prefácio IV: Ennio Caramella

Parabenizo nosso Companheiro Helio Begliomini, Médico, Escritor e Rotariano, o qual teve a excelente ideia de escrever sobre o rotarismo.

Além de ter publicado vários livros e trabalhos científicos em revistas especializadas, vários artigos e outros trabalhos médicos científicos, dedicou-se com muito empenho para escrever sobre o rotarismo.

Sua ideia sobre o livro amadureceu quando indicado para uma tarefa semanal de seu Clube, a qual começou a pesquisar a respeito e, nessa procura de fatos, para trazer notícias sobre a instituição, reconheceu que foi ele quem mais aprendeu sobre a cultura Rotária.

Tenho lido muitos compêndios falando sobre Rotarismo, mais este livro conta a história do Rotary desde os primórdios de sua fundação.

Neste livro você vai encontrar fatos que conhece ou talvez algumas passagens que desconhece. Mas tenho certeza que a pesquisa deste livro irá encantar a todos que o lerem, pois, além da história do Rotary vivida pelo seu criador Paul Percy Harris, você conhecerá fatos que elucidarão a história da nossa centenária Instituição. Desde o início da civilização apareceram Instituições, que não tiveram a mesma evolução no mundo, igual ao Rotary, porque a cada três anos, a instituição faz o seu Conselho de Legislação para se aprimorar cada vez mais. O Rotary é progresso, lição de vida, paz, amor e a realização de serviços prestados às comunidades carentes. Ao ler este livro, o Rotariano irá conhecer fatos simples, como a criação da Fundação Rotária, pois, conhecendo os seus projetos, o Rotariano terá sempre a oportunidade do ideal de servir.

Nós, Rotarianos, sempre que possível, deveríamos participar das Convenções Internacionais, que a cada ano acontecem em um País diferente. Através desses encontros, conheceríamos a grandeza e a internacionalidade da nossa Instituição. O Rotariano que ler este livro terá uma grandiosa fonte de informações Rotárias.

 

Ennio Caramella*
* Governador do Distrito 4.430, ano rotário 2011/2012.

 

Prefácio V: J.B. Oliveira

Rotarismo.

O livro começa a se mostrar interessante e original a partir do título. Tem-se visto e ouvido por aí a forma ROTARIANISMO. O meu corretor de texto até a aceita sem avermelhá-la.

HELIO BEGLIOMINI, porém – esse paulistano que honra e engrandece São Paulo –, com seu natural espírito de pesquisa e inteligência, inova e escreve ROTARISMO.  Aí, o computador coloca uma linha vermelha sob o vocábulo e sugere alternativas: rotar ismo ou rotacismo!

Vendo-me forçado a raciocinar em cima do caso, dei-me conta de que o vocábulo ROTARIANISMO, tomaria por base o termo ROTARIANO, que se refere a qualquer membro de um dos cerca de 35.000 Rotary Clubs distribuídos entre 213 países e regiões geográficas do planeta. E são perto de 1.250.000 homens e mulheres ao redor do mundo!

ROTARISMO, entretanto, se assenta sobre a essência, a raiz: ROTARY, a que acrescenta o sufixo ISMO, do grego ISMÓS, que transmite a ideia de sistema, conjunto de normas e princípios. Aqui, portanto, amplifica-se e se universaliza o conceito de Rotary, que, a começar de seu singelo início em uma fria quinta-feira, 23 de fevereiro, no centro da bucólica Chicago de 1905, entranha-se, nos dias atuais, em mais de duas centenas de países!

É precisamente para descrever essa epopeia grandiosa e gloriosa que o meticuloso Helio Begliomini traz a lume essa monumental obra literária! Aliás, assim é o nosso “sol”, o nosso Helio: não é capaz de ficar na periferia, na superfície estéril de qualquer coisa a que dedique seu talento, seja agindo, falando ou escrevendo. Mergulhando fundo em “mares nunca dantes navegados”, vai buscar tesouros do conhecimento, preciosidades insuspeitas! Ele simboliza bem as palavras de Salomão, o rei-sábio, contidas no livro de Eclesiastes, capítulo 9: “Tudo quanto te vier à mão para fazer, faze-o conforme as tuas forças”.

ROTARISMO está fadado a se tornar um manual por excelência de Rotary. Sem demérito para outras bem redigidas publicações rotárias, ele a elas se sobrepõe por sua inigualável abrangência. Quem, por acaso, não detenha a mínima informação acerca de Rotary terá, após lê-lo, conhecimento completo, detalhado e ilustrado dessa secular, exemplar e operosa instituição. E o que é importante: sua leitura terá o sabor dos contos de aventuras, pela maneira agradável como os fatos fluem da pena (atualizando: do notebook) do sensível autor!

Por fim, confesso que não sei como devo classificar meu Companheiro de Rotary Club; meu Confrade de Academia Cristã de Letras e meu amigo de todos os campos Helio Begliomini. Se como um escritor que clinica ou se como um médico que escreve. Afinal, são de sua autoria nada menos que 23 livros, 201 trabalhos científicos, 407 artigos, 178 capítulos de livros e 88 comentários editoriais!

Uma coisa, porém, eu sei: a ele, mais do que a muitos de seus notáveis colegas de medicina, aplicam-se os versos de Castro Alves:

Oh! Bendito o que semeia
Livros... livros à mão cheia...
E manda o povo pensar!
O livro caindo n’alma
É germe – que faz a palma
É gota – que faz o mar!

 

J.B. Oliveira[*]
[*] Advogado, jornalista, escritor, conferencista e professor universitário. Presidiu a Associação Paulista de Imprensa e a Sociedade Amigos da Cidade. Comunicador da Rádio Mundial, produz e apresenta o programa “O Poder da Palavra”. Recebeu diversas comendas e títulos honoríficos. Pertence a várias entidades, destacando-se Academia Cristã de Letras (cadeira no 38); Academia Paulista Evangélica de Letras (cadeira no 31); Academia Maçônica de Letras (cadeira no 39); e Academia Maçônica Internacional de Letras (cadeira no 10).
Ingressou em 18 de julho de 1975 no Rotary Club de São Paulo – Vila Prudente, sendo presidente no ano rotário 1979/1980; Foi membro do Rotary Club de Guarulhos – Sul (vice-presidente 1986/1987); Rotary Club de São Paulo – Barra Funda (vice-presidente 1997/1998); fundador e vice-presidente do Rotary Club de São Paulo – Sé, além de desempenhar diversos cargos nos clubes pelos quais passou, assim como no Distrito.