Tributo à Sobrames

4 Tributo a Sobrames 1965 2000 aa04a

 

Helio Begliomini

TRIBUTO À SOBRAMES.

1965-2000 Ensaios e História       

CLR Baliero Editores Ltda., São Paulo - (dezembro),

1999, 109 páginas.

 

Prefácio: Carlos da Silva Lacaz

I: uma honra e um privilégio prefaciar a obra coordenada pelo Dr. Helio Begliomini, atual presidente da SOBRAMES-Nacional (biênio 1998-2000), na qual seu ilustre autor fez uma excelente história desta associação que congrega os médicos escritores do nosso país. Fui presidente desta Associação nos idos de 1968, quando a mesma tinha o nome de Sociedade Brasileira de Escritores Médicos. Em Curitiba, a 18 de março de 1968, com a presença de Gláucio Bandeira, Eurico Branco Ribeiro, Paulo Mangabeira Albernaz e tantos outros médicos escritores, instalava-se solenemente o II Congresso Nacional da novel Sociedade. Naquela ocasião, dizia eu que a Medicina permanecería sempre imutável em seus desígnios, com os mesmos sentimentos de grandeza de sua tarefa, animada pelo altruísmo e pelo bem comum, subsistindo no perpétuo evolver das coisas e das idéias.

Graças ao beneditino esforço de Eurico Branco Ribeiro, cirurgião famoso, discípulo de Benedito Montenegro e grande estudioso da fabulosa obra deixada por São Lucas, o patrono dos médicos, nasceu a presente Sociedade, para mostrar à mocidade de hoje que cultive as humanidades, não renegando literalmente este passo de ontem, para jungir exclusivamente a novos cânones. É preciso que os médicos, além de profissionais, dediquem-se também à temática do pensamento do homem, mantendo-se atento às vibrações de sua época. Não existe medicina sem cultura e sem filosofia. Só esta dá ao médico a condição indispensável para elevar sua profissão, assegurando-lhe a dignidade de merecida reputação e o crédito de habilidade profissional. A verdadeira Medicina, vivendo literalmente do sofrimento humano, deve-se abeberar na cultura geral e na formação clássica humanística. Quem se dedica à historiografia médica, verifica que, no passado, muitos vultos da nossa profissão foram grandes literatos, ensaístas, educadores de escol, poetas e novelistas de renome, recorrendo à velha sentença de que não fazem mal as Musas aos doutores. Médicos sempre foram, em toda a parte, dados às letras.

Médico foi Clemenceau, como também, Duhamel, Axel Munthe, Littré, Conan Doyle, Júlio Diniz, Júlio Dantas, Fialho de Almeida, Leon Daudet, Joaquim Manoel de Macedo, Manuel Antônio de Almeida, Claude Bernard, o célebre fisiólogo, de renome internacional, autor de uma das jóias da literatura mundial, com a sua obra famosa - "Introdução ao Estudo da Medicina Experimental", na qual se associam a pureza da língua e a beleza do estilo. Infelizmente, no Brasil de hoje, no tumultuar da vida moderna, poucos são os que se lembram do passado e, no entanto, como é necessária em nossa terra, uma cruzada de Brasilidade, um movimento que permita a união de todas as classes e de todas as gerações, para dinamizarmos as tradições contra o materialismo contemporâneo, já que o mundo atual, oferecendo aos jovens perspectivas de beleza e de gozo material, sucumbindo-se e anquilosando-se nas doçuras de um sibaritismo enganador, fazem com que eles não se alertem sobre a existência de um passado cneio de glórias, que no campo da medicina tão alto elevou o nome de nossa terra. Os povos que olvidam ou menosprezam as tradições, perdem a consciência de seu próprio destino.

Parabenizo meu amigo Dr. Helio Begliomini, colega da privilegiada inteligência, cultor das boas letras, pelo belo trabalho que realizou. Toda a história da SOBRAMES vem descrita neste belo volume, que é um hino à cultura e a inteligência brasileira. E, nesta hora de tantas apreensões, saibamos todos nós cumprir o nosso dever, para que

 

Nota do editor:
Carlos da Silva Lacaz
nasceu em Guaratinguetá, a 19 de setembro de 1915, filho tio Prof. Rogério da Silva Lacaz e dona Judith Limongi Lacaz. Cursou secundário, no Ginásio Nogueira da Gama, de sua cidade natal. Entrou em 1934 na Faculdade de Medicina de São Paulo, onde tez toda sua carreira. Diplomado em 1940. Doutorou-se em 1945, com distinção. Catedrático, em 1953, com distin­ção. Autor de numerosos livros de Medicina e de I listoriogralia Médica. Professor catedrático de Microbiologia e Imunologia da faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo. Professor Titular do Departamento de Medicina Tropical e Dermatologia da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo. Fundador e Diretor do Instituto de Medicina Tropical de São Paulo. Professor Honoris Causa pela Universidade Federal do Ceará e Universidade Nacional dei Nordeste (Resistência, Argentina). Membro da Academia Nacional de Medicina. Membro 1 tonorário da Academia de Medicina dei Institu­to de Chile. Membro correspondente da Academia Royale des Sciences d'Outre-Mer (Bruxelas, Bélgica). Ex-Diretor da Faculdade de Medicina e da Escola de Enfermagem da Universidade de São Paulo. Ex-Pró- Reitor da Universidade de São Paulo. Laureado com o prêmio Rhoda Benham, oferecido nela Associa­ção Americana de Micologia Médica (1977). Ex-Secretário de Higiene do Município de São Paulo. Perito da Organização Mundial da Saúde, em Doenças Infecciosas e Parasitárias. Membro tia American Academy oi Microbiology (U.S.A.), da International Society for Human and Animal Mycologv OSI IAM) e da Inter-American Society for Chemotherapy. Ex-Presidente da Academia de Medicina de São Paulo, Sociedade Brasileira de Medicina Tropical e sociedade Brasileira de Alergia e Imunopatologia. Prêmio Alfredo jurzykowsty, da Academia Nacional de Medicina. Prêmio Fundação Rockeíeller. Paraninfo de três turmas da faculdade de Medicina (1953, 1956 e 1961). Patrono e homenageado por várias turmas da Faculdade de Medicina. Paraninfo em 1971, dos íarmacolandos da Faculdade de Farmácia e Bioquí­mica da USP. Em 1973, recebeu homenagem honrosa, dos diplomandos pela Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da USP. Quando Secretário de Higiene e Saúde do Município de São Paulo, implantou a Maternidade de Vila Nova Cachoeirinha, o Centro de Controle de Zoonoscs, o Ambulatório de Recuperação do Alcoólatra e o Centro de Controle de Intoxicações. Ex-Presidente da Sociedade Brasileira de Escritores Médicos (1968-1970) e atual Presidente da Sociedade Brasileira da História da Medicina. Carlos da Silva Lacaz foi meu inesquecível professor de microbiologia na Faculdade de Me­dicina de Jundiaí.