Seleção de trovas premiadas

(Pouso Alegre 1998)

Que importa a imensa amplidão 
em que o universo flutua,
meu mundo cabe na mão,
se acaso esta mão for tua!

 

(co-vencedora em Barra do Piraí - 1993)

Depois de pronta a bagagem, 
dizer adeus, quem sabia?!
- um princípio de coragem
que findou em covardia...

 

(co-vencedora em Barra do Piraí 1992)

Para os que entregam ao nada
os sonhos que ontem sonharam, 
o orgulho é terra pisada
moldando os pés que a pisaram...

 

(M. Honrosa em Barra do Piraí 1992)

Segue em frente, com cuidados 
que a prudência mal não faz
e os bons passos, ontem dados,
dão mais força aos que hoje dás!...

 

 (co-Vencedora UBT SP - 1990)

Nosso amor, quadras desfeitas,
de um poema sem achados...
Rimas tristes, imperfeitas,
fechando versos quebrados!...

 

 (Menção Honrosa em Bandeirantes - 1989)

Vai-se um dia... Vai-se um mês...
E eu te imploro, sem revolta,
se não regressas de vez,
esta noite, ao menos, volta!

 

(Menção Honrosa em Ribeirão Preto - 1975)

Saltando apenas num pé,
negrinho maroto e arteiro, 
o Saci nada mais é
que o capeta brasileiro!

 

(Maranguape 2008)

Como pode haver poesia 
nos rumos da humanidade,
se tarda tanto esse dia
da paz ser PAZ de verdade?

 

 (12º lugar Nova Friburgo, 1972)

Quando a saudade me embala,
o teu nome a repetir,
o silêncio tanto fala,
que não me deixa dormir!...

 

(8º lugar Nova Friburgo, 1972)

Sempre acolho de mãos postas 
e humilde tento aceitar
o silêncio das respostas
que a vida não sabe dar.

 

 (9º lugar em Valença/RJ - 1972)

Não tema que o tema eu tema,
temas não temo, porque,
que importa qual seja o tema,
meu tema é sempre: "Você"!

 

(1º lugar Nova Friburgo - 1984)

Tão ciumenta é a mulherzinha 
que ele só passa, coitado,
pela casa da vizinha,
correndo e de olho fechado!

 

(Menção Honrosa em Ribeirão Preto - 1975)

É possível que aconteça, 
seja folclore ou novela:
- tanta gente sem cabeça,
por que não mula sem ela?