Ser Emília

Fonte: Carolina Ramos

No dia 22 de agosto comemora-se o dia do FOLCLORE e Carolina Ramos nos presenteia:

 

Ah! Lobato, bom amigo,

que minha infância enfeitaste...

Os caminhos que hoje sigo,

sem querer, delineaste!

 

Eu já fui menina arteira,

que brincava com boneca.

“Narizinho” reinadeira,

cheia de sonhos!... Moleca!

Tal qual “Pedrinho”, eu, também,

pelos campos cavalgava!

Sem caçadas!... sou do bem...

E amiga da bicharada!

Sem “Pó de Pirlimpimpim”,

fiz muita viagem gostosa!

Do saber, ao vê-lo afim,

conquistou-me o “Sabugosa”!

 

Lobato, só coisa linda,

de ti me veio, portanto,

guardo, com ternura infinda,

saudades por todo canto!

E tive um Príncipe, sim!

Lindo “Príncipe Encantado”!

Hoje... tão longe de mim...

Para os céus arrebatado...

Já fritei muitos bolinhos,

como “Anastácia” fazia...

E rodeada de netinhos,

agora, com alegria,

sou qual feliz “Dona Benta”,

entre anjos vindos do céu,

mas... a paz... nenhum alenta,

a correr de déu- em - déu!...

 

Lobato... Os teus personagens,

Rabicó, a Cuca, o Anjinho,

a Emília a contar vantagens...

floriram o meu caminho!

E ao ver seres perturbando

os rumos da Pátria nossa,

tal qual Saci “sacizando”,

lembro os Sacis lá da roça!

Os daqui...duas pernas têm...

os da roça,  têm só uma!

Mas diabruras de ambos vêm,

e ...coisa boa? -  Nenhuma!

Ah!... queria ser agora

essa  Emília irreverente!

- Bonequinha que não chora,

mas... pensa... E diz o que sente!