Pedro I, o brado retumbante

Fonte: Justino Magno Araújo

Quando D. João VI tornou à terra natal,17 Justino Magno Araujo b 24dc8

no Brasil deixando o herdeiro Pedro,

as cortes portuguesas reagiram muito mal,

e não gostaram nenhum pouco desse enredo.

 

Ao Brasil não era dada a independência,

Esse era o pensamento d ‘além mar,

0 povo subjugado não merecia indulgência,

A Portugal cabiao0 direito demandar.

 

Eis que surge uma figura imponente,

que de D. Pedro era amigo e patrono,

José Bonifácio, o patriarca, jamais conivente,

aconselhou o afilhado a lutar por seu trono.

 

Numa viagem a São Paulo, até então perfeita,

Pedro pressentiu que era chegada a hora,

Portugal exigia seu retorno, que desfeita,

Eis o momento certo para uma desforra.

 

Desfaziam-se ali os laços de amizade,

Que até então esses dois povos unia,

Pedro jogou ao chão, fazendo alarde,

Aas insígnias lusas que seu peito exibia.

 

E junto ao riacho do Ipiranga,

um cenário bucólico, o Brado de independência ou morte então ecoou,

e o Brasil, nesse sete de setembro histórico,

ao pódio das nações soberanas assomou!