O dia que a terra falou!

(Era noite)!13 Lazaro Jose Piunti 33f60

E o ano 2021 para quem obedece ao calendário gregoriano. No calendário hebraico o ano 5781 e na China 4719.

Esta história, já contada de forma diversa, recorda a ocasião do choro da Terra.

Júpiter e Marte, planetas amigos, vendo seu sofrer, vieram em solidariedade. E a Terra desabafou sua mágoa com os seres humanos. Consumira sua esperança para que a Humanidade criasse juízo e a maltratasse menos. Afinal, ela é a Terra-Mãe!

Reclamou da poluição e da agressão ambiental exibindo o seio ferido pelas bombas nucleares. Júpiter ouvia calado. Marte, condoído ante o sofrer da Terra, foi incisivo. A amiga, senhora de fabulosos recursos, poderia num átimo alterar o cenário da Natureza. Sacudindo a poeira dos milênios acumulados, a Terra confessou que sequer o Dilúvio causara efeito prático, pois, recolhidas as águas da sua superfície, os homens voltaram a prevaricar. Contou que o seu cartão postal de alvura, as Geleiras, padecia acelerado processo de derretimento, depois que os homens desvirginaram a camada de ozônio violando o orifício estelar.

Júpiter retomou a palavra e sugeriu punir os infratores com terremotos e maremotos. Respondeu a Terra já ter usado esse chicote cíclico, porém, sem êxito. Inclusive os Tsunamis foram inúteis. A Terra voltou a chorar e Marte e Júpiter, aquietaram.

Após brevíssimo século, refeito o diálogo, enquanto Júpiter, com o seu rubro lenço enxugava o pranto da amiga, Marte propôs o envio de um asteroide para assustar os ímpios. A Terra esboçou pálido sorriso recordando que partículas aqui desprendidas do infinito, foram jocosamente apelidadas de meteoritos pelos desalmados.

Então, Júpiter e Marte, após rápido cochicho, a convenceram do uso de arma nova, traiçoeira e mortífera, como antepenúltimo sinal de alerta aos incautos. Um elemento híbrido, vida pela metade, cuja reprodução dependeria do ser hospedeiro. Sem cheiro ou gosto, peso ou imagem, sua ação seria devastadora. Em lapsos de tempo destruiria milhões de pessoas. Invisível, viajaria sem licença ou passaporte ignorando fronteiras, climas ou ambientes. A letalidade do intruso no mundo causaria desordem social e desmoralização de governantes. Um golpe certeiro às ideologias e crenças, minando as certezas incertas dos orgulhosos cultores da Ciência.

E a Terra, rogando a preservação de animais e plantas, se rendeu! Júpiter e Marte, por sua conta e risco, incluíram castigo suplementar aos terráqueos: o fim do abraço, a proibição dos afetos e a supressão dos carinhos.

E a COVID visitou a Terra.

 

Lázaro Piunti – Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo. – XXVI III MMXXI