Primavera, flores e livros

Rosa Maria Custódio (Outubro/1986)

Com a chegada da primavera, a cidade do Rio de Janeiro se abriu num ensolarado sorriso. Estamos na estação das flores e, eu mesma, já tive a alegria de receber de presente, no mês de setembro, dois lindos manacás (dois convites para lançamento de livros).

Sim, para mim, os livros também são flores! São flores de essências humanas. São flores coloridas, que não apenas enfeitam nossas vidas, nossos sonhos e fantasias, como também encantam nossos espíritos e nos revelam o mistério da própria existência. De flor em flor, tal qual um beija-flor, a gente vai compreendendo que a vida é um imenso jardim. Pessoalmente, alimento o sonho de me tornar uma abnegada jardineira...

Felizmente, as minhas viagens não me impediram de estar presente aos dois acontecimentos que tiveram lugar na Casa de Cultura Laura Alvim, em frente ao mar de Ipanema.

No dia 9 de setembro foi o lançamento do livro Fidel em Pessoa, do jornalista Roberto D’ Ávila (L&PM Editores, Porto Alegre, RS). A noite foi um sucesso. Roberto D’ Ávila, além de conhecido jornalista, é candidato a deputado federal pelo PDT e, portanto, candidato à Constituinte. Estavam presentes o alto comando do seu partido (com exceção do Governador Brizola), intelectuais, artistas de teatro e televisão, gente da sociedade carioca e dois representantes da Nova Igreja: os Freis Beto e Leonardo Boff.

No dia 16 de setembro foi o lançamento do livro Mulher Madura do escritor, poeta, professor e ensaísta Affonso Romano de Sant’ Anna. Com muita emoção, recebi o abraço do grande cronista brasileiro. Outra noite, outro grande evento cultural. Presentes estavam os grandes nomes das Letras, professores, estudantes e amantes da literatura. Intelectuais, artistas e políticos também estavam presentes. Todos radiantes com a presença luminosa de Affonso Romano. Para os interessados, o livro foi editado pela Editora Rocco Ltda. RJ.

Fidel em Pessoa é uma entrevista feita com Fidel Castro, um dos mais polêmicos líderes do nosso tempo. Suas idéias, suas convicções, suas experiências políticas e de vida são relatadas ao longo do livro. Além desse contato mais íntimo com a figura do homem e do político, temos a chance de conhecer um pouco mais sobre a história e a realidade cubana das últimas décadas e ir desvendando o mito do comunismo cubano que até bem pouco tempo atrás agitava nossos espíritos.

Mulher Madura é um livro de crônicas sobre a experiência humana nos nossos dias. É um mergulho de emoção na realidade do ser. Cada fato do nosso cotidiano, jogado ao léu da agitação da vida moderna é resgatado e revitalizado pela sensibilidade do poeta, que o transforma em facho de luz e fonte de reflexão.

Com os olhos atentos e o coração aberto, seguimos os passos do cronista, trilhamos o caminho benfazejo da literatura, que leva o pão da vida, aquele que alimenta o corpo e o espírito.

Dizia Monteiro Lobato que um país se faz com homens e livros. Eu diria que um país se faz com homens livres. Mas, para um homem ser livre ele precisa ler muitos livros, porque neles encontramos o legado dos nossos antepassados e a sabedoria contida na experiência da trajetória humana. Conhecendo o passado e tendo consciência do presente, o homem pode avançar e construir o seu futuro. O homem livre é responsável pelo seu próprio destino.