Depois que o vendaval passar...

Lázaro José Piunti

Em tempos de corona-vírus pergunta-se: a humanidade sairá melhor depois que a onda avassaladora amainar sua fúria? Não se fie e nem confie. Somos teimosos demais. Descrentes em excesso. Amedrontados estamos, todos e todas – ateus e agnósticos, crentes e descrentes. Sábios e ignorantes. A morte está na esquina. E nos espreita. Porém, quando o bichinho invisível concluir sua varrição de ponta a ponta no planeta e o mundo retomar a sua normalidade imbecil, a inconsequência coletiva ditará as normas da rotina abjeta.

Já aconteceu antes!corona 12db9

Moisés retirou o povo do domínio do Faraó do Egito e na caminhada libertadora quase ocorreu uma revolta. Protesto da fome. Gente impaciente. Tudo no seu tempo. Deus enviou o maná do céu, pão branco feito bolo de mel, com sabor de coentro. Uma iguaria deliciosa e perfumada, de dar água na boca. E a saborosa carne de codornizes (Êxodo, cap. 16). Porém, bastou Moisés ausentar-se por algum tempo e o poviléu bagunçou o coreto. Moisés cumpria a quarentena, 40 dias e 40 noites, despachando com o Senhor no Monte. E a turma entendeu que o líder não retornaria mais. Caramba! Moisés estava em missão. Em audiência com a Chefia recebendo as tábuas da Lei (Êxodo, capítulo 24, versículos 12 e seguintes). Ele deixou o assessor Arão, mas o populacho quebrou a hierarquia. (Mas, vendo o povo que Moisés tardava em descer do Monte... fizeram um bezerro de ouro para adorar como deus – capítulo 32 – Êxodo).

Essa mania de esquecimento é do DNA humano. No domingo de ramos, celebra-se a entrada triunfal de Jesus em Jerusalém. Trouxeram até um jumento para servir a Ele de montaria. E O aplaudiram em delírio. Dias depois pediram sua crucificação. Não é brincadeira! Por tudo o que já aconteceu no passado, acontece agora e ainda ocorrerá em tempo futuro, de minha parte arrisco dizer que este é um planeta de expiação, galáxia penitencial, presídio de reparação de danos cometidos. Pela graça divina viveremos outra vida. Melhor. Nem tanto pelos nossos méritos. Muito mais pela misericórdia do Criador. 

Em resumo: Esse vírus assusta... Mas, sinceramente? Não está aí ao acaso!