Rodolpho Civile, O Contista do Bixiga!

Fonte: Helio Begliomini

“Se non è vero, è ben raccontato” (Provérbio italiano)Helio Begliomini 9 6015b

“Se não for verdade, é bem contado”

Embora ele não tenha tido a fama de João Rubinato (1910-1982), valinhense de nascimento e que se tornou nacionalmente conhecido com o pseudônimo de Adoniran Barbosa, um dos mais importantes nomes da música popular brasileira e eternizado como “Poeta do Bixiga”, teve o mesmo carinho por esse inusitado bairro paulistano, reduto no passado de imigrantes italianos. Aí, na Bela Vista, região próxima do centro da cidade como é oficialmente conhecida, não somente viveu, mas também teve seu consultório durante 25 anos (!), amealhando muitas recordações que, anos mais tarde, serviam-lhe de inspiração para cenário e criação de protagonistas de muitos dos seus contos e crônicas.

À semelhança de Adorian Barbosa, ele bem sabia colocar no diálogo de seus de personagens palavras corriqueiras, do dia a dia, com um português popularesco nem sempre correto, mas usual e que os caracterizavam no ambiente onde viviam que, vez por outra, eram temperadas com vocábulos italianos ou do dialeto calabrês, aliás, região de onde provinha seu avô paterno Antonio Civile, e a quem o protagonizou num de seus primeiros livros: A História de uma Família Calabresa.

Da mesma forma seus escritos eram leves, descontraídos e frequentemente hilariantes, prendendo a atenção de todos os que o ouviam. Contudo, não se pode dizer que ele foi apenas contista, absolutamente! Em sua obra literária também se encontram em quantidade e qualidade expressivas: biografias, ensaios, memórias, fábulas e romances.

Estes dentre tantos outros predicados marcaram a figura do querido amigo e inesquecível escritor Rodolpho Civile, paulistano, nascido em 25 de janeiro de 1925, no mesmo dia de aniversário de sua cidade natal!

bexiga 84b05Civile, como todos carinhosamente o chamavam, graduou-se em 1952, na tradicional Escola Paulista de Medicina. Atuou como assessor médico do Sindicato de Energia do Estado de São Paulo; supervisor médico do INPS – Instituto Nacional de Previdência Social; médico da Prefeitura do Município de São Paulo, além ter sido sócio fundador do Hospital Nossa Senhora de Lourdes. Dedicou-se também à medicina do trabalho e foi coautor do Manual Prático de Segurança, Higiene e Medicina do Trabalho (1973).

Rodolpho Civile foi um dos mais ativos, perseverantes e cativantes membros da Sociedade Brasileira de Médicos Escritores – Regional do Estado de São Paulo (Sobrames-SP), bem como imortal da Academia de Letras de Campos do Jordão!

Certa feita confidenciou-me que, sondado para concorrer a uma vaga numa outra academia de letras, de uma cidade do Vale do Paraíba, declinou do convite, visto que as reuniões coincidiam com as tertúlias da Sobrames paulista e ele não podia se afastar dessa entidade e dos amigos que nela encontrou, pois os considerava uma extensão de sua própria família!

Rodolpho Civile caracterizava-se por ser simples, alegre, fraterno, desprendido, sereno e interativo. Há muitos anos havia se retirado da capital e fixado residência em São José dos Campos, no interior paulista. Contudo, durante anos e anos a fio e até um mês antes de seu falecimento, não se furtava em se deslocar mensalmente de sua cidade – costumeiramente às terceiras quintas-feiras –, para participar das tertúlias da Sobrames-SP, carinhosamente chamadas de Pizzas Literárias. Raramente faltava e sempre tinha algum trabalho para apresentar, solicitando, vez por outra, que alguns dos presentes fizessem dueto com ele, contracenando e dinamizando suas estórias.

Casou-se em 6 de junho de 1953 com Maria da Glória Moreira Civile, sua eterna namorada e com quem conviveu alegremente por 65 anos (!), sendo presença constante ao seu lado. Dessa feliz união nasceram três filhos: Rodolfo, Rogério e Rosana. Suas noras Luzia e Natacha deram-lhe quatro netos: Vinicius, Lígia, Tiago e Sofia; e um bisneto: Gustavo. Com o falecimento da nossa também amiga Maria da Glória, ocorrido em 10 de setembro de 2015, sua filha Rosana – exímia pianista! –, tornou-se sua fiel companheira nas Pizzas Literárias e noutras atividades.

Ao ler seus textos, Civile – como bom descendente de italiano –, vibrava com suas narrativas, descontraindo e prendendo a atenção de seus ouvintes. Por vezes ria repetida e gostosamente do que ele mesmo havia escrito, contaminando com seu riso a todos! Dentre seus inesquecíveis e premiados contos têm-se: “O Velho e o Cego”; “A Beata e o Padre no Confessionário”; “Amassando o Pão”; “As Alegres Comadres do Bexiga”; “Nicola, o Barbeiro do Bexiga”; “Pavana para uma Rolinha Morta”; “O Vendedor de Machadinho do Bexiga”; “O Amor entre os Elefantes”; “Calixto, o Colchoeiro do Bexiga”, dentre outros.

Rodolpho Civile recebeu diversos prêmios literários e teve muitos trabalhos publicados em coletâneas e antologias da Sobrames paulista. Aliás, seu carisma, benquerença e frequência eram tão grandes a essa entidade, que teve o privilégio em vida, de ver seu nome dado ao “Prêmio de Assiduidade Rodolpho Civile”, galardão que ele próprio recebeu, merecidamente, por diversos anos!

São de sua lavra os seguintes livros:

1. A História de uma Família Calabresa;
2. Olhando o Dedão do Pé; 3. O Avô;
3. A Véspera de Natal em The Entrance;
4. Esperando a Eternidade;
5. O Julgamento do Dr...;
6. A Falésia das Almas;
7. Amor em Les Gets;
8. O Encontro no “Mont Saint-Michel”;
9. Aqui e Ali. Mosaico de Letras (Coletânea);
10. O Tempo Passou e Com Ele Nossos Sonhos;
11. Devaneios de um Vagabundo Andarilho;
12. O Olho do Galo;
13. Um Calabrês na Índia;
14. O Retorno do Vagabundo Andarilho;
15. O Chinelo Furado do Zoroastrita;
16. Um Burro na Burra;
17. As 15 Brácteas da Alcachofra Dourada;
18. Momentos do Passado – Contos e Crônicas do Bexiga;
19. Momentos que o Tempo Levou... e
20. Memórias Literárias – Contos e Crônicas de Rodolpho Civile (editor Marcos Gimenes Salun).

Rodolpho Civile, mesmo em idade provecta, levantava-se de madrugada para praticar exercícios de Yoga. Aliás, ele é autor do Manual Prático de Hatha-Yoga.

Nutria um carinho especial e explícito por mim e por minha esposa. Convidava-nos, reiteradamente, para fazer-lhe uma visita quando íamos a Ubatuba ao passar por São José dos Campos. Tive, ao lado de minha esposa e de outros amigos da Sobrames paulista, o privilégio de participar em sua cidade, da comemoração de seus bem vividos e profícuos 90 anos!

Rodolpho Civile teve por genitores João e Josephina, e sempre reconheceu e agradeceu o quanto seus pais haviam feito por ele! Esteve lúcido e produtivo até o final de seus dias. Partiu em 7 de outubro de 2018, na juventude e na candura de seus 93 anos! Ele soube honrar a medicina e teve destaque especial nas letras, confirmando em seus contos o adágio italiano: “Se non è vero, è ben raccontato”. Se Adoniran Barbosa foi o “Poeta do Bixiga”, com certeza, Civile foi, com muito brilho e criatividade, o “Contista do Bixiga”!

 

Helio Begliomini - Membro da Associação Paulista de Medicina, Academia de Medicina de São Paulo, Academia Cristã de Letras, Academia Paulista de História e da Sociedade Brasileira de Médicos Escritores.