Desesperança

Fonte: Reinaldo Bressani

Noite fria mergulhada no negrumeReinaldo Bressani 3ab56

Da desesperança deste meu peito

Que antes, tinha de ti o perfume,

Mas que, agora anda sem rumo... sem jeito.

 

Sinto-me um ser apagado e sem brilho,

Levado por movimentos sombrios.

E, só, minha alma confronta empecilho

Pelo abandono e seus ventos bravios.

 

Enublaram-se os alentos e a fé.

O destino, cruel, me impôs tal maré

E me submete a sensações brutais.

 

Mas, a saudade deita e rola solta.

Afervora os sentidos. Quer a volta

Daquele amor que não esqueço jamais.

 

Reinaldo Bressani - Cadeira nº 15 da ACL